FARMACOLOGIZAÇÃO DA SEXUALIDADE E DIREITOS SEXUAIS

REFLEXÕES SOBRE UMA POSSÍVEL INCOMPATIBILIDADE

Autores

  • Jane A. Russo

DOI:

https://doi.org/10.35919/rbsh.v24i2.176

Palavras-chave:

disfunção erétil, medicina sexual, farmacologização, direitos sexuais

Resumo

Este artigo busca refletir sobre a relação entre o surgimento das drogas indicadas para disfunção erétil e o consequente florescimento da Medicina Sexual e o campo dos direitos sexuais. Para tanto, apresento e discuto o contexto do surgimento do Viagra e drogas assemelhadas. Busco argumentar que tal surgimento deve ser compreendido em articulação com o estabelecimento da categoria diagnóstica disfunção erétil, na medida em que a construção de tal categoria foi um fator relevante para o sucesso da nova droga e para sua intensa difusão. Apresento, em seguida, algumas hipóteses socioantropológicas sobre a impotência, transformada em disfunção erétil, como objeto relevante de pesquisa. Para concluir, procuro apontar como a abordagem farmacológica da sexualidade pode ser problemática do ponto de vista da Declaração dos Direitos Sexuais da WAS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-03-30

Como Citar

A. Russo, J. . (2020). FARMACOLOGIZAÇÃO DA SEXUALIDADE E DIREITOS SEXUAIS: REFLEXÕES SOBRE UMA POSSÍVEL INCOMPATIBILIDADE. Revista Brasileira De Sexualidade Humana, 24(2). https://doi.org/10.35919/rbsh.v24i2.176

Edição

Seção

Trabalhos de Pesquisa