ORGASMO FEMININO

PREVALÊNCIA DE CRENÇAS ERRÔNEAS EM PERNAMBUCO, BRASIL

Autores

  • Rógerson Tenório de Andrade
  • Ricardo Cavalcanti
  • Vilma Maria Da Silva

DOI:

https://doi.org/10.35919/rbsh.v26i1.146

Palavras-chave:

orgasmo, feminino, sexologia, educação, crenças errôneas

Resumo

Este estudo avaliou a prevalência das crenças errôneas relacionadas ao orgasmo feminino em pacientes do Estado de Pernambuco, Brasil. 166 indivíduos foram submetidos a questionário que investigou as características sociodemográficas e as crendices e superstições relacionadas ao orgasmo. Em sua maioria foram pacientes do sexo feminino, naturais do Recife, com bom nível de escolaridade, casados e católicos. Em média 49% dos entrevistados não sabiam como responder aos questionamentos ou optaram pela resposta relacionada à crendice. A crendice de maior prevalência foi sobre a intensidade do orgasmo, em que 66,2% dos pacientes acreditavam na afirmação: “Quanto mais demoradas as preliminares mais intensos serão os orgasmos”; e o questionamento que apresentou maior percentual de dúvida foi: “Existem dois tipos diferentes de orgasmos: o vaginal e o clitoriano”(26%). Concluímos que existe uma alta prevalência de crenças errôneas na população estudada, indicando que intervenções educacionais relacionadas ao ensino da sexualidade devem ser propostas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-03-26

Como Citar

Tenório de Andrade, R. ., Cavalcanti, R. ., & Maria Da Silva, V. . (2020). ORGASMO FEMININO: PREVALÊNCIA DE CRENÇAS ERRÔNEAS EM PERNAMBUCO, BRASIL. Revista Brasileira De Sexualidade Humana, 26(1). https://doi.org/10.35919/rbsh.v26i1.146

Edição

Seção

Trabalhos de Pesquisa